Professores e alunos usam meios digitais para continuar estudos; pais aprovam alternativa

O isolamento social necessário para conter o avanço do coronavírus causador da Covid-19 se tornou um grande desafio para professores e alunos da ABDA Filarmônica, projeto musical totalmente gratuito mantido pela Associação Bauruense de Desportes Aquáticos (ABDA), em parceria com o escritório de advocacia Abramides Gonçalves.

Atualmente, são cerca de 350 crianças de Bauru (SP) estudando música em diversos instrumentos e também no coral. Como nem todos podem estar com o instrumento em casa, não foi possível encontrar uma solução para todas as turmas seguirem os estudos à distância. Entretanto, os professores se desdobram para direcionar atividades online aos alunos, com ou sem instrumentos, por meio de turmas organizadas em grupos no WhatsApp.

Em uma segunda etapa, já está sendo preparado um trabalho via Skype com alunos da turma mais avançada, chamada de rendimento, que compõem a Orquestra Filarmônica em formação. Nessa fase, o professor de cada instrumento trabalhará com esses alunos o repertório da Orquestra.

Desafio – A coordenadora da ABDA Filarmônica, Rosa Tolon, explica que os professores estão compartilhando com suas turmas atividades online, gravações das peças do repertório, tarefas de linguagem musical e peças dos corais gravadas para os alunos cantarem e treinarem em casa. “Neste intervalo de quarentena, combinamos de colocar tarefas escritas e exercícios online para os alunos não pararem. Os alunos da Orquestra estão com instrumentos, porém não temos instrumentos para todos do projeto. Para aqueles que não podem estar com instrumentos, estamos reforçando aspectos teóricos e de leitura musical.”

A coordenadora detalha o esforço conjunto dos professores diante do desafio de não parar o trabalho. “Irandi Daroz (coral) envia vídeos cantando peças do repertório para os alunos repetirem em casa; Rosa Tolon (piano) fala das peças aos iniciantes e envia exemplos gravados; Alex Fernandes (sopros) reforça critérios teóricos aos alunos que estão sem instrumentos; Tiago Barretta, envia exercícios e atividades aos alunos de musicalização e de instrumentos; Rosângela Salles, compartilha exercícios de Linguagem Musical; e Luciano Manduca (cordas), além dos exercícios online com os alunos, também adianta os arranjos das músicas para a Orquestra, os quais demandam muito tempo e trabalho.”

Dessa forma, as atividades da ABDA Filarmônica seguem durante a quarentena, na esperança de que em breve tudo volte ao normal. “Não estamos parados e os pais estão agradecendo com muito carinho e atenção. Esperamos que isto não dure muito, mas se durar, nós não vamos ficar parados, estamos discutindo recursos e iniciativas”, afirma Rosa Tolon.

Ana Alice estuda piano e linguagem musical, e também faz natação na ABDA há 3 anos

Ana Alice que estuda piano e linguagem musical também faz natação na ABDA há 3 anos

Oportunidade – Uma das mães que aprovou a iniciativa e ajuda a filha nas tarefas musicais em casa é Mara Cristina da Silva. Ela conta que Ana Alice da Silva Camargo, 7 anos, aluna de piano e linguagem musical, começou na Filarmônica pelo coral um ano atrás, mas também faz natação na ABDA há 3 anos.

Para Mara, tem sido um momento de união entre mãe e filha, em que ambas trabalham a paciência. “Estou achando interessante, produtivo. Facilita por eu estar em casa e ela ter o instrumento. Algumas vezes, ela ficou preocupada, com dificuldades, mas por si mesma conseguiu se esforçar e melhorar. A criança tem de estudar, independente de pausa por pandemia, feriado ou outro motivo. Quanto mais disciplina tiver, melhor. Isso vai dos pais darem o exemplo e exigirem responsabilidade e compromisso. Há pessoas que não valorizam por ser gratuito, mas temos que agarrar a oportunidade que o projeto nos dá, valorizar e incentivar”, afirma.

A pequena Ana Alice conta que, no início, foi um pouco difícil encarar a novidade, mas com esforço conseguiu se adaptar. “Me comunico com os professores por celular, computador, WhatsApp. Tenho um horário fixo para os estudos, de manhã, cinco dias da semana. Espero estar melhor ainda na música após esse período e mais confiante”, aposta a aluna.

Yasmin faz aulas de piano, flauta transversal, musicalização e linguagem musical

Yasmin Silva faz aulas de piano, flauta transversal, musicalização e linguagem musical

Dedicação – Outra aluna da ABDA Filarmônica que está se dedicando bastante nos estudos em casa durante a quarentena é Yasmin dos Santos Silva, 13 anos. Ela vive com a avó paterna Maria Lúcia Massoni desde bem pequena e começou a estudar música na ABDA aos 11 anos. Atualmente, ela participa das aulas de piano, flauta transversal, musicalização (grupo avançado) e linguagem musical.

A menina conta que adorou a ideia, pois assim não fica sem estudar. “Está sendo uma experiência diferente, mas não estou tendo dificuldades. Tiro dúvidas e falo com professores pelo WhatsApp”, conta Yasmin que preferiu não manter horário fixo, mas realiza os estudos todos os dias em casa. “Espero estar melhor ainda na música, ao final do isolamento.”

A avó aprovou a alternativa proposta pelos professores. “Sou avó, pai e mãe dela. Nós duas temos problemas de saúde e somos do grupo de risco, precisamos ficar isoladas em casa para nos proteger do coronavírus e essa foi uma oportunidade para que ela não deixasse de estudar. Apesar dos problemas de saúde, Yasmin é muito atuante e as atividades na música contribuem muito para seu desenvolvimento, até no lado psicológico. Somos muito gratas”, enfatiza.

Legenda da foto principal: Alunos da esq. para dir: Kauana Ribeiro Silva, Pedro Santos Oliveira, Ana Alice da Silva Camargo, Rebeca Yoshioka Ghizini, Henry Nogueira Cunha Ferreira e Yasmin dos Santos Silva (primeira fileira); Fernanda Vaz Crepaldi, Sara Turíbio de Brito, Marisol Garcia Santos, Pedro Wakai Prado e Cecília Sartori Gladenucci (segunda fileira)

destacada