No masculino, destaque para a jovem equipe da Hípica que surpreendeu jogando na categoria adulto

Entre os dias 18 e 22 de novembro, a Arena da Associação Bauruense de Desportes Aquáticos (ABDA) sediou o Brasil Open, competição da categoria adulto organizada pela Liga Polo Aquático Brasil. A ABDA foi vice-campeã da competição no feminino que contava com cinco equipes na disputa, fazendo a final contra o time do Pinheiros.

O técnico da equipe, Alexandre Dezani, afirmou que foi atingida a meta estabelecida de fazer a primeira final adulta com uma equipe da ABDA, composta por atletas de 15 e 16 anos. “O saldo final foi missão cumprida. Mas, na final, sentimos o cansaço dos jogos e a pressão de enfrentar uma equipe experiente (Pinheiros) com jogadoras que já participaram de Olimpíadas”, explicou.

No feminino, ABDA ainda teve como destaque as atletas Letícia Belório e Kemily Leão, compondo a seleção do Brasil Open. Kemily ficou em terceiro lugar na disputa pela artilharia da competição, com 18 gols. A cerimônia de premiação contou com a participação de Bárbara Amaro, ex-jogdora e ex-técnica de polo aquático da ABDA.

Letícia Belório e Kemily Leão foram escolhidas para compor a seleção do Brasil Open

Letícia Belório e Kemily Leão foram escolhidas para compor a seleção do Brasil Open

No masculino, que contou com 9 times na disputa, o campeão também foi o time do Pinheiros que venceu o Sesi na final. A maior surpresa do Brasil Open ficou com o jovem time da Sociedade Hípica de Bauru (SHB), mantido pela ABDA, que jogou com muita garra frente aos adversários mais velhos. “A Hípica surpreendeu a todos, fez jogos equilibrados,  inclusive venceu uma partida, lembrando que o time é sub-18”, comentou Dezani, que também é técnico da SHB.

Lucas Borges, atleta da Hípica, durante lance na partida contra Pinheiros

Lucas Borges, atleta da Hípica, durante lance na partida contra Pinheiros

Quanto ao time masculino da ABDA, com média de idade dos atletas de 18,5 anos, vale destacar que esta foi a primeira vez que a equipe jogou de igual para igual contra todos os adversários em uma competição adulta, perdendo somente duas das sete partidas do Brasil Open. A ABDA fez inclusive uma partida duríssima com o experiente time do Pinheiros, campeão da competição, que terminou com placar de 10 a 6.

Para o húngaro Attila Sudar, técnico do time masculino da ABDA, a equipe melhorou durante a competição, mas o longo período sem competições oficiais, apenas com treinos internos, resultou em erros que geraram inconstância nos jogos. “Fisicamente, o time evoluiu muito. Mas é muito difícil corrigir erros somente com treinos. Foi uma grande oportunidade jogar em uma competição adulta com equipes de excelente nível nacional. Seguimos buscando a melhoria”, afirmou o técnico.

Técnico Attila Sudar e assistente José Ribeiro instruem o time da ABDA durante partida

Técnico Attila Sudar e assistente José Ribeiro instruem o time da ABDA durante partida

Fotos: Caio Souza / On Board Sports / Liga PAB

destacada_ABDA_vicecampea_feminino