Glauciene Ribeiro faturou seis ouros e tem o melhor índice técnico feminino da classe alta

No último sábado, 22/09, a equipe paralímpica da Associação Bauruense de Desportos Aquáticos (ABDA) participou do II Open Paulista FAP e sagrou-se campeã na classificação geral com o melhor índice técnico feminino classe alta com a atleta Glauciene Ribeiro, da classe S6, com ouro nas provas dos 400m livre, 200m medley, 100m livre, 50m livre, 50m borboleta e prata nos 100m peito.

A equipe da ABDA contou ainda com três atletas estreantes. As deficientes visuais Franciellen Araújo (S13) conquistou a prata nos 100m livre e 100m costas; Renata Ponce (S13) faturou o ouro nos 100m costas, a prata nos 100m livre e o bronze nos 50m livre e Amanda Momesso (S11) garantiu a prata nos 50m livre.

Bruno Ribeiro (S14) conquistou a prata nos 50m livre, 100m livre, 200m livre, 200m medley, 100m peito e 100m borboleta. Samuel Ferreira (S14) classificou-se na 7ª colocação nos 200m livre, 5º lugar nos 100m peito e 100m livre e 8º lugar nos 50m livre.

Na classe baixa, Carlos Eduardo Oliveira conquistou três medalhas de ouro nas provas de 50m livre, 100m livre e 100m peito e prata nos 200m livre. Sonia Coppi foi ouro nos 50m livre, 50m costas e 50m borboleta e prata nos 200m livre.

Da classe alta, Ana Laura Vieira (SB9) faturou a prata nos 100m peito; Leticia Marques (S8) conquistou o ouro nos 50m livre, 100m livre e 100m costas. Pedro Schiaveto (S9) trouxe a prata nos 100m peito e o bronze nos 100m livre; Jhonatan Martins (S9) foi prata nos 100m costas; Matheus Ribeiro (S10) foi ouro nos 400m livre, 100m livre, 100m costas e prata nos 50m livre e Matheus Andrade (S13) garantiu o ouro nos 100m costas, 50m livre, 400m livre, 100m peito e 200m medley.

No revezamento 4x50m livre, as atletas Leticia, Glauciene, Matheus e Pedro classificaram-se na 2ª colocação e no 4x50m, Ana Laura, Glauciene, Matheus e Pedro conquistaram a medalha de ouro.

“É a primeira vez que a equipe da ABDA paralímpica participou com atletas nas três classes (deficientes físicos, deficientes visuais e deficientes intelectuais), estou muito contente e satisfeita com o resultado de todos”, afirmou Rayssa Cappelin, técnica da ABDA.

Equipe